Segunda-feira, 16 de Outubro de 2006

vazio

borboleta.jpg O budismo ensina que a forma é o vazio e o vazio é a forma. A natureza vazia dos fenómenos não significa que nada exista e que toda a realidade seja ilusória, isso seria uma visão niilista do mundo. O vazio explica-se pela falta de características intrínsecas. Cada fenómeno, cada objecto, cada ser é destiituído de uma identidade intrínseca. A forma é a apreensão de um conjunto de factores interdependentes. Por exemplo, uma borboleta que pese 5 gramas no planeta Terra e tenha várias cores debaixo da luz solar; num outro contexto, sob outras condições terá outras características (à noite ela será cinzenta e dentro de água pesará muito menos, por exemplo). Assim, a forma de uma borboleta é o vazio de características intrínsecas e o vazio destas características constitui a sua forma. A concepção do vazio, no contexto budista, deve ser entendida em termos de 'dependência'. Entendido deste modo, o vazio cria uma abertura para o infinito de possibilidades.

sinto-me:
tags:
publicado por Isabel às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

.sobre mim

.pesquisar

 

.links

.pensamentos recentes

. vazio

.tags

. todas as tags

.Dezembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds