7 comentários:
De joao a 17 de Outubro de 2006 às 09:38
Olá Isabel, que bom é ver-te "shinny". Como tu explicas (e muito bem) a concepção de vazio no contexto budista deve ser entendido em termos de interdependência, mas também sem sombra de dúvida através da impermanência das formas. Por exemplo, como tentamos explicar o que somos, tendemos a colocar a situação desta maneira, "eu sou isto que aqui está!, este corpo, esta mente". Mas na realidade, o que está já não está. Este corpo já não é o mesmo e a mente muito menos. Logo não existe nada a que possamos chamar de eu permanente. Daí sermos desprovidos de identidade intrínseca.
Espero ter-me conseguido explicar. Bjs
De Isabel a 18 de Outubro de 2006 às 08:34
João, gosto sempre das tuas visitas e comentários :)
De Bandida a 17 de Outubro de 2006 às 18:04
estarmos e não chegarmos a ser ou sermos e não chegarmos a estar? ando a procurar.me.
De Isabel a 18 de Outubro de 2006 às 08:36
estar aqui e agora SEMPRE é mt difícil :P
De Hyogador a 20 de Outubro de 2006 às 16:03
Olá Isabel
Sim, o post do Delux é formalmente simplista, creio que foi um desabafo nostálgico entre os sopros do clarinete que apreende a tocar. Aproxima-se de um conceito Barrio Sésamo, óptimo para o público alvo a que foi destinado, ganhando contudo outra forma, talvez vazia, postado assim no blog.
Compartimos vários gostos musicais, deixo que os sons de cada momento se dêem a apreciar. No meio de tanto ruído, musica sabe bem.
(Ontem com a Mariana, em casa com amigos , jantamos bacalhau cozido com todos ao som de um Drum&Bass pesadíssimo, não tivemos nem necessidade nem coragem de pedir para trocar...)
Ultimamente a Antena2, no carro,transmite-me intensas emoções, em outros tempos de tudo um pouco, de SSSputnik até aos cimbalos celestes últimos.
Não conhecia a tua vocação cinéfila,porto para curiosidades.
Lindo o Azul Zimbro!
De Isabel a 22 de Outubro de 2006 às 10:59
'bigada pelas visitas e pelo comentário; este senti-o especialmente construtivo e sensível...
De Pedro a 27 de Novembro de 2006 às 00:33
O nada(vazio) para existir precisa do todo, porque sem ele, é o próprio todo. Numa visão redutora, simplista talvez, sem conceitos religiosos de qualquer espécie, o nada e tudo são o mesmo, porque todos os conceitos servem para provar que na falta deles o nada "existe". O vazio é a génese, o "zero matemático" - "abençoados" árabes que o inseriram no conjunto dos números, passando agora a "existir"!

Fica bem, e desculpa estas considerações despropositadas e menos profundas do que as alguma proferidas por sua senhoria, ó suprema sacerdotiza de OOOOOOMMMMM!

Pedro "o antigo sacerdote da noite".

Comentar post