Sexta-feira, 12 de Novembro de 2004

Serenidade

Calm.jpg


As emoções são um dos elementos de atenção fundamental no budismo. A atenção plena de um ser iluminado observa-se na forma como responde às emoções. As pessoas têm tendência para se apegar àquilo que sentem que é bom e a fugir do que lhes causa desprazer. Uma pessoa percebe que está a evoluir na senda espiritual quando começa cada vez mais a a não se apegar nem a rejeitar o que sente. As emoções podem, por isso, ser usadas como forma de elevação espiritual, como treino do espírito, por forma a conseguir-se atingir a equanimidade. Assim, devemos tentar estar atentos ao que sentimos quando estamos junto de alguém que nos agrada, assim como quando estamos com quem nos repele. Se paramos para analisar o que realmente sentimos quando estamos zangados, em vez de continuarmos a alimentar a emoção da ira, prontamente, à medida que observamos como o coração bate depressa, como o nossa capacidade de auto-controle está baixa, etc, se observarmos estes fenómenos interiores, chegamos à conclusão, não só que essa emoção nos prejudica, como enquanto observamos, desligando-a da sua causa, ou seja, daquilo que nos provocou essa emoção, veremos que, aos poucos, esta começa a desaparecer. Percebemos, assim, a impermanência das emoções. Mais, aprendemos a técnica de as mudar, podendo usá-las para o nosso bem-estar, melhorando também a vida dos outros. Quando não nos apegamos ao que sentimos e apenas observamos interiormente a emoção (e não a causa da emoção), sem dar conta, estamos a cultivar a atitude mental certa. Percebemos que a origem da emoção não está no exteior, não foi outra pessoa ou uma situação, mas que a origem é a atitude mental. Se a causa das emoções estivesse fora de nós, então todos reagiríamos do memso modo perante a mesma situação. É pelo facto das emoções terem origem no nosso interior que várias pessoas olham para uma mesma pessoa furiosa, na rua, a insultar aos gritos os que passam e uns sentem uma emoção de raiva, outros sentem compaixão e olham com ternura para ela, enquanto outros continuam sem nenhum tipo de emoção, neutros. As sensações são criadas por nós. Dependendo do treino que tivermos, podemos estar perante uma situação que aparentemente "causaria" raiva ou grande stress e continuarmos no interior da segurança da nossa serenidade. É essa força que podemos exercitar. Todos temos essa capacidade.

publicado por Isabel às 04:50
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Opinioes a 16 de Novembro de 2004 às 07:50
É incrível como de facto eu me identifico com a filosofia budista, sem a aprender ou seguir. apenas é coincidencia o facto de eu ser assim ou talvez budismo seja para mim o meu senso comum.
O facto de viver na Asia já há alguns anitos tambem podem ter a haver com aquilo que sou hoje, afinal vivo rodeado de ambientes e acçoes inspiradas pelo budismo.
De qualquer modo, fico contente que a minha forma pessoal de pensar e agir tem nome e é adoptada por muitos mais!
simplesmente senso comum ;-)

Comentar post

.sobre mim

.pesquisar

 

.links

.pensamentos recentes

. Natal - tempo de PAZ

. procure a riqueza em si

. a vida

. amor-cisne

. como distinguir o amor ve...

. meu amor

. dor amor

.tags

. todas as tags

.Dezembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds